20 outubro 2007

VAO '07 - Vigilia Agostiniana de Oração

Olá mais uma vez, cá estou eu de volta neste fantástico espaço de partilha de actividades, histórias, coisas interessantes, etc, pelo menos é a minha maneira de ver isto, eheheheh. Pois bem, hoje quero informar os meus assíduos leitores sobre a VAO '07. Como mutos já devem saber, a Provincia de Espanha da Ordem de Santo Agostinho (OSA para os amigos), tem vindo a organizar estes últimos anos uma Vigilia Agostiniana de Oração. E preguntam vocês: Mestre, o que é uma Vigilia Agostiniana de Oração? Uma VAO consiste numa oportunidade de encontro com Deus através da oração, ou melhor, de várias dinâmicas de oração. Ao longo de toda a noite, existirão diersas dinâmicas para que aprendas que a oração não consiste só em rezar o terço, ou um pai-nosso antes de ir para a cama. Por incrível que pareça, podes orar e encontrar-te com Deus das mais variadas formas: através da música, através da partilha, de um filme, da dança, etc... Para isso está a VAO '07, para ensinar-te estas coisas e para que passes uma noite diferente, na presença o amor de Deus e dos outros. Sim, dos outros, porque costuma vir sempre gente de diversas partes de Espanha e também, como não podia deixar de ser, de Portugal. Claro que também terás momentos de relax ao longo da noite, para tomar um café e partilhar experiências. Sempre se divide toda a gente em grupos de mais ou menos 20 pessoas, consoante o número de participantes, para irem de talher em talher, ainda que nos típicos VAO Breaks, nos juntemos todos para fazer uma dinâmica, o que nos ajuda a mantêr o olho aberto durante a noite. De manhã terminamos a actividade com a celebração da Eucaristía como cúlmen da noite, como encontro com Deus, cara a cara. E depois do fantástico pequeno-almoço... cada um ao seu respectivo lugar de origem.

Sem dúvida é uma maneira muito boa para te encontrares com Deus, já que no stress habitual em que vivemos, quase não nos sobra tempo para esse encontro. Como sabemos que sem oração não podemos viver de acordo com a nossa fé, convidamos-te a participar, sim, a TI que lês estas linhas, na noite de 9 para 10 de Novembro, no Mosteiro de Santa Maria de La Vid. Não tenhas medo de atravessar a fronteira porque só assim poderás conhecer novos mundos. Vem e de certeza que não te vais arrepender. Se quiseres mais informações acerca desta actividade, não exites em falar comigo. Aproveita e não deixes passar esta oportunidade. Até breve ;)

PS: A foto é o cartaz da VAO '06, já que ainda não tenho o deste ano.

09 outubro 2007

Santo Tomás de Vilanova

Hoje, dia 10 de Outubro, a OSA (Ordem de Santo Agostinho) tem o prazer de comemorar a festa de um dos seus santos mais importantes, depois de Santo Agostinho y Santa Mónica, está claro (o nosso papá e a nossa avó). Por isso, hoje aproveito para postar a vida deste bispo agostinho.

Nascido em Fuenllana (Ciudad Real, Espanha) - em 1486 - de pais piadosos e caritativos, herdou um amor entranhável pelos necessitados. Desde Villanueva de los Infantes, cidade onde passa a viver com os seus pais y origem do seu posterior nome, como apenas 15 anos, é enviado a Alcalá de Henares (Madrid), onde, em 1509, obtém o título de mestre em Artes. Logo a seguir dedica três anos aos estudos teológicos, os quais interrompe para se dedicar ao ensino da Lógica (1512-1516). Os quinze anos de permanência em Alcalá de Henares marcarão profundamente, de uma forma humanística, o seu espirito para o resto da sua vida.

De Alcalá passa a Salamanca (1516) para abraçar a vida religiosa na Ordem de Santo Agostinho e é ordenado sacerdote em 1518. Não passará muito tempo até que os seus superiores descubriram as suas qualidades de mando. As funções sucedem-se de um momdo contínuo: prior de Salamanca (1519-1521), com re-eleição passados dois anos (1523-1525), visitador da Provincia de Castela (1525-1527), provincial e Andaluzía (1527-1529), superior de Burgos durante duas administrações (1531-1534 y 1541-1544), provincial de Castela (1534-1537). O seu trabalho com superior e reformador da Ordem é uma das grandiosas oras do santo. Carlos V, para quem o santo era um dos homens chave la reforma dos seus reinos, nomeia-o como o seu predicador y conselheiro e, ao fiar livre a sede de Valencia (1544), apresenta-o como arçobispo desta cidade.

A situação espiritual de Valencia era deplorável. O santo não se desanima perante esta situação. Antes pelo contrário, dirige todos os seus esforços à re-cristianização da diocese. Para formar um clero capaz de dar com a sua vida um utêntico testemunho de santidad, adiantando-se ao concílio de Trento, funda o colegio-sminário da Apresentação (1550). Não se conforma com a convocação de um sínodo senão que faz uma visita a todas as paróquias, actuando sempre com uma mão cheia de energia, mas suave ao mesmo tempo. Entre as suas obras pastorais devemos ressaltar duas pela sua importância e transcendência: a assistência caritativa e social aos necessitados e a evangelização dos mouriscos. O bom resultado da sua actuação, unido à óptima preparação intelectual, converteram-no numa das pessoas mais respeitadas do seu tempo e na imagem viva do bispo ideal.

Morreu em 1555. Foi declarado beato em 1618; quarenta anos más tarde, Alexandre VII canonizou-o solenemente. Do convento agustiniano do Socorro de Valencia, onde este sepultado inicialmente, os seus restos foram levados para a catedral da cidade, na qual se encontram expostos para veneração dos fiéis.

08 outubro 2007

Para matar a curiosidade de algumas pessoas...

Olá a todos, hoje não tenho assim nada de especial para vos contar talvez seja por ser Segunda-feira e já todos estamos fartos de saber que não é o melhor dia para estas coisas... sim, aos que somos frades também nos custa arrancar depois do fim de semana!!! Pois bem, já por diversas vezes me preguntaram o que é que fazemos durante o dia, pois então deixo-vos uma breve descrição de um dia aqui em Los Negrales. Digo uma descrição de um dia em Los Negrales porque esta comunidade tem um regime de vida algo diferente das comunidades agustinianas normais, já que é uma casa de formação. Aqui vai:

08:00 Oração de Laudes (seguida de meditação)
08:45 Pequeno-almoço
09:30 Aulas (4h)
13:50 Oração (Hora Intermédia)
14:00 Almoço
14:30 Momento comunitário (para tomar café, pôr a conversa em dia, etc...)
20:15 Eucaristía comunitária
20:50 Oração de Vésperas
21:00 Jantar
21:30 Momento comunitário (ver TV, conversar, convívio, et...)
23:00 Silêncio

Como podes verificar prece um dia bastante pacífico e com bastante liberdade de movimento, mas é claro, ao ser uma comunidade de formação, as coisas são diferentes. Não refiro aqui os tempos de estudo que cada um dedica, obviamente, porque cada um se organiza consoante os seus gostos e actividades. Também não referi as actividades e responsabilidades que cada um tem, porque acho que não é das coisas mais importantes para pôr aqui; isto é mesmo só para que fiques com uma ideia e mates a curiosidade, se é que a tinhas, é claro. Normalmente estas actividades/responsabilidades efectuam-se à tarde (eis a explicação do porquê de tantas horas "sem fazer nada"). E é assim a vida de um estudante agostinho. E assim passamos seis anos nesta casa, até que saímos a uma nova vida, uma nova comunidad, com mais trabalho e também com mais responsabilidades. Espero que tenhas ficado contente com este post e que sirva para conheceres melhor os agostinhos.

PS: Peço desculpa pela foto estar desactualizada, mas não tenho uma mais recente, de momento...

06 outubro 2007

Vamos divagar um pouco?

“Pouca coisa parece mais perturbadora do que o conceito de vazio. Os gregos mostraram-se tão avessos à idéia do nada que foram incapazes de conceber o zero".










Confesso que tenho uma enorme responsabilidade entre mãos, mas também tenho a certeza que estou prestes a dilucidar sobre algo bastante interessante mas, ao mesmo tempo, bastante assustador talvez. Alguma vez pensaste: "O que é o vazio?" Ou talvez deveria perguntar: "Consegues imaginar o vazio?" Se não o fizeste aviso desde já que é algo bastante difícil ou, diria eu, impossível.

Sempre que chegávamos a este tema nas minhas aulas de Filosofía, os professores soltavam quase sempre o mesmo comentário, com um certo tom humorístico: El vacío es un bote de melocotón, sin bote y sin melocotón. Entendeste? eheheh Traduzo: O vazío é uma lata de pêssego, sem lata e sem pêssego. Realmente não deixa de ser uma possível solução a este problema. Mas assim começávamos nós a falar sobre o vazio. Ao ser um conceito tão abstrato, tornase bastante complicado poder abarcá-lo mas sim gostaría de apontar algumas coisas que me surgiram esta tarde, numa rápida conversa com alguém a quem admiro muito e que pelos vistos tem um gosto especial por estes temas, pelo menos hoje estávamos para aí virados, eheheh. Enfim, continuando... Sempre que tentamos imaginar o vazio, imaginamos algo parecido à imagem de cima: um quarto vazio, sem nada... mas está realmente sem nada? Um quarto tem paredes, tem uma porta ou mais, janelas, ou não está vazio simplesmente pelo facto de conter algo de ar. Com isto quero dizer que qualquer "imagem" que possamos criar na nossa cabeça, vai conter sempre algo que nos vai atrofiar o conceito real de vazio. Ante isto, podemos definir o que é o vazio? Aliás, temos o direito de definir algo? Um dia um professor respondeu-me da seguinte forma quando lhe pedi uma definição de algo que não recordo: "Quando se define algo, limitas esse algo que defines, crias uma cerca à volta desse conceito, portanto vamos deixar as definições e vamos entender o conceito". Deixou-me sem resposta, mas é verdade. Quando tentamos definir o vazio, o qué é que dizemos? É como um quarto sem nada, sem cama, sem móveis, etc... Mas estamos a definir que é como um quarto, ou seja com limites espaciais. Por esta razão dizia eu que é impossível definir o que é o vazio.

Também podemos pegar em Sto Agostinho (como não podia ser de outra maneira) para entender algo disto. Este filósofo do século IV e V escreveu um dia que "quando entendas a Deus, deixa de ser deus". Pois eu faço minhas as palavras dele e digo: Quando entendas o vazio, deixa de ser vazio". Não quero comparar Deus com o vazio, porque são conceitos completamente contrários. Mas o fato é que há coisas que nunca as entenderemos, porque nos superam intelectualmente. Se repararam no video do post anterior, devem ter reparado numa frase específica que diz: "Só entederemos a vida e o mundo quando deixarmos de procurar explicações". Isto pode dar passo a que me interpretem como uma pessoa contra as investigações científicas e o avance das ciências; não é nada disso. O que quero transmitir com tudo isto é que, quando nos dedicamos a tratar o mundo, as pessoas, os sentimentos, como simples máquinas e criações do homem, quando as definimos, limitámo-las e acabam por perder a essência e a beleza que têm por natureza. Pensa nisto: "quando descubrires o que é o amor, deixa de ser amor". Não sabes o que é, mas sabes que está aí, sentes e disfrutas dele, mas se te preguntam o que é, não sabes responder, tal como acontece com o vazio.

Perante tudo isto, será válido o comentário que tantas vezes nos vem à cabeça: sinto-me num vazio existencial. Será que alguma vez nos sentimos realmente assim? Será que estivemos algum dia sem ninguem e mesmo sem nós mesmos? Isto é o vazio, não? Supostamente para que nos sintamos num vazio existencial deveríamos estar completamete sozinhos, sem amigos, completamente fechados ao mundo, e talvez fechados a nós mesmos e, principalmente, fechados a Deus. Sim, porque por mais sozinhos que nos sintamos de vez em quando, não podemos esquecer que lá em cima há sempre alguém que não se esquece de nós, e que constantemente está a velar por nós, por mais que insistamos que não. Proponho-te um pequeno "jogo": pensa em certas situações que ocorrem na tua vida, naquele postal que recebes, naquele telefonema, naquele video que viste num blog de um amigo, etc... são situações normais e bastante banais, certo? Podes pensar assim, sem dúvida, ou podes pensar também como alguem que, talvez sem querer, me ensinou a pensar assim: Deus faz-se presente nas pequenas coisas da vida, nos detalhes, nas coisas insignificantes. E acredita, que se conseguires pensar assim, vais começar a valorar muito mais certas amizades, certas pessoas, certas situações ou episódios que parecem insignificantes, e principalmente, vais dar-te conta de que Deus não se afasta nunca de ti, senão que está todo o dia a pensar como te há-de surpreender esse dia.

A pedido de varias familias

Mais uma vez tenho de dar os típicos golpes no peito em sinal de arrependimento por ter abandonado este blog nos últimos meses... Eu sei, já é a segunda vez e assim vou perdendo "clientes" que, amigavelmente e ao mesmo tempo cursiosos, dedicam alguns minutos das suas vidas a ler estas humildes linhas. Realmente há dias em que não tenho mesmo nada interessante para postar, mas sempre que encontro algo que possa ser agradável aos olhos do ser-humano, tento colocá-lo por neste espaço. Se algum de vocês, leitores assíduos e interessados, tem alguma curiosidade acerca de algo específico, podem pedir-me para comentar sobre isso, desde que seja algo que esteja dentro do meu círculo de conhecimentos. Desta forma, podemos manter, entre todos, este blog intereactivamente activo (peço desculpa pela redundancia). It's up to you!!! Se quiserem saber algo sobre mim, sobre a vida agustinana, sobre o que quer que seja, estejam à vontade. Da minha parte, a única coisa que posso fazer é mesmo preocupar-me por manter as vossas cabecinhas actualizadas com coisas úteis. També é lógico, e continuo a insistir, que também é engraçado quando o dono do blog, ou seja eu,entra e vê que tem um comentário novo, portanto dediquem também alguns momentos a comentar alguma coisita... Thanks!!! Até à próxima ;)

PS: Deixo-vos um video que acho bastante interessante e importante para aqueles que acham que devem desistir quando não conseguem alguma coisa. Espero que entendam porque está em espanhol.